Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


VERDADES E MENTIRAS


1 Câmbio automático não funciona no GNV?

A perda de potência pode ocasionar um certo "atraso” na redução de marchas, o que pode facilmente ser resolvido se for instalado um sistema de 5ª geração. Este é o equipamento mais indicado para carros de câmbio automático, porém existem alguns carros automáticos...[leia mais]

A perda de potência pode ocasionar um certo "atraso” na redução de marchas, o que pode facilmente ser resolvido se for instalado um sistema de 5ª geração. Este é o equipamento mais indicado para carros de câmbio automático, porém existem alguns carros automáticos que funcionam bem com um sistema gerenciado. Esta escolha deverá ser feita com a ajuda de um bom profissional, que irá lhe auxiliar a escolher o melhor equipamento, portanto, entre em contato conosco para ver o que melhor se adequa ao seu carro.


2 O carro no GNV perde potência?

O carro convertido perde cerca de 10% de sua potência, normalmente sentida nas arrancadas e retomadas. Isso ocorre pois o GNV tem a queima 70x mais lenta do que a Gasolina. Quando a mistura ar/combustível incendeia na câmara de combustão, o pistão é empurrado para baixo, e antes que toda a mistura pegue fo...[leia mais]

O carro convertido perde cerca de 10% de sua potência, normalmente sentida nas arrancadas e retomadas. Isso ocorre pois o GNV tem a queima 70x mais lenta do que a Gasolina. Quando a mistura ar/combustível incendeia na câmara de combustão, o pistão é empurrado para baixo, e antes que toda a mistura pegue fogo, o pistão já subiu novamente, já abriu a válvula de escape e já começa a expelir. O fato é que como a queima á mais lenta, acabam sendo mandados para fora gases ainda em combustão, fazendo com que nem todo o combustível admitido pelo coletor seja queimado completamente. Quando o ciclo do motor recomeça, ainda existem resquícios do ciclo anterior, e quando a nova mistura entra em contato com a mistura já em chamas, podem dar alguns problemas. Daí que vem a perda de potência dos carros movidos a GNV. Mas existem hoje várias formas de diminuir esta perda de potência, com equipamentos de qualidade e instalação correta. Uma delas é instalar um variador de avanço FÔNICO, que é ligado no sensor de rotação do carro. Ele irá adiantar o ponto de ignição do motor em até 15 graus, e aumentará o tempo disponível para queima, fazendo com que o combustível seja admitido depois que tenha uma queima mais generalizada possível, pois como dito anteriormente, carros movidos a GNV acabam tendo uma ''sobra'' de gás ainda em chamas no coletor, então se for admitido a mistura fora do tempo, essa mistura vai entrar em contato com o combustível que não conseguiu ser queimado completamente até então, onde virá a ocorrer os back-fires e muitos outros problemas podem ser acarretados. O variador, então, corrige este tempo hábil para combustão, evitando a perda de potência e os temidos estouros no motor (back-fires). O variador de MAP, instalado na maioria das convertedoras, adiantam no máximo 7°graus o ponto de ignição, diminuindo muito a potência do carro no GNV. A limitação deste sistema é que a correção não vai além do que o módulo pode atender, enquanto o sistema fônico, mais moderno, que é o sistema utilizado na Edgás, atua diretamente no ponto de ignição e é configurável atendendo com precisão diversos ângulos de avanço, desligamento automático da marcha lenta, etc. Outra solução é instalar um sistema de 5ª geração, com este sistema a perda de potência do veículo é ainda menor, além das vantagens de você ter um sistema mais moderno, ligado diretamente nos coletores do carro. Você pode ler mais sobre este sistema na aba "Tudo Sobre Conversão".


3 Carro no GNV danifica o cabeçote?

O cabeçote do carro, independente do combustível que está sendo utilizado, será danificado se a mistura ar-combustível for pobre. Acontece que algumas convertedoras, na tentativa de atrair o cliente deixando o carro mais "econômico", além de baratear a instalação, utilizam a...[leia mais]

O cabeçote do carro, independente do combustível que está sendo utilizado, será danificado se a mistura ar-combustível for pobre. Acontece que algumas convertedoras, na tentativa de atrair o cliente deixando o carro mais "econômico", além de baratear a instalação, utilizam a mistura pobre do combustível, instalando regulagens manuais no carro, o que pode sim danificar o cabeçote do carro. Isto não acontece se o sistema for gerenciado, o gerenciador, é uma central eletrônica para regulagem automática do fluxo de combustível para adequar a mistura ar x gás, ou seja, faz a liberação do combustível (GNV) conforme a necessidade do motor do seu carro. Na mistura rica, ou seja, muito combustível x pouco ar, a central do gerenciador aciona o motor de passo que substitui a regulagem manual e diminui a passagem do gás, já na mistura pobre, pouco combustível x muito ar, a central aumenta a passagem do motor de passo, liberando mais gás.

Este é apenas mais um "mito" do GNV, de que danifica o cabeçote. Procure apenas convertedoras que instalam e sabem fazer a regulagem correta de kits gerenciados, desta forma você estará protegendo o motor do seu carro. Pesquise bem em qual convertedora você fará a instalação do KIT. Se optar pela falta de qualidade e o baixo valor, você também será responsável pelos problemas que serão acarretados.


4 O carro no GNV tem mais desgaste do motor?

Todo carro, sendo ele a gasolina, álcool, flex ou GNV, precisa de uma manutenção periódica. Esta manutenção consiste basicamente na troca de velas, cabos e filtros de ar. Seja qual for o combustível utilizado no carro, esta manutenção se faz necessária! O que acontece é...[leia mais]

Todo carro, sendo ele a gasolina, álcool, flex ou GNV, precisa de uma manutenção periódica. Esta manutenção consiste basicamente na troca de velas, cabos e filtros de ar. Seja qual for o combustível utilizado no carro, esta manutenção se faz necessária! O que acontece é que quando o carro está convertido no GNV e um jogo de velas estiver com problemas, por exemplo, o carro irá apresentar falhas, o que na gasolina demora um pouco mais para acontecer, e muitas vezes um simples jogo de velas com problemas pode vir a dar back-fires e estar danificando outras peças do motor. Mas se a manutenção periódica destes itens básicos não for feita, não há como saber o estado destas peças, pois não costumam apresentar falhas em combustíveis líquidos. Recomendamos a troca do jogo de velas a  cada 25.000 km rodados, cabos de velas a cada 35.000 e filtros de ar a cada 10.000 km. Estes são os itens básicos da manutenção periódica, para que você tenha um bom funcionamento do seu carro no sistema do GNV. Lembrando que se caso seu carro tiver instalado um Kit Aspirado com regulagem manual, deverá voltar até a convertedora para acertar a regulagem a cada troda de Filtro de Ar. Evite ao máximo mexer você mesmo na regulagem manual, deixe para quem entende e trabalha com isso.





Resolução Mínima: 1024px.